O Admirável Mundo Novo do pequeno comércio

Publicado por

Publicado a Maio 25, 2020

Ao longos destes últimos meses estive especialmente atenta ao que poderia mudar no pequeno comércio depois desta crise. E procurei especialmente o que de bom estes maus tempos nos poderiam trazer, nomeadamente através de soluções de inovação e reinvenção do modelo de negócio. Agora que tudo está a acalmar, acredito que podemos efetivamente ter várias soluções em mãos para acelerar uma modernização há já muito necessária.

O Facebook veio ontem fechar com chave de ouro as várias oportunidades que eu havia identificado, com o lançamento do Facebook Shops. Esta plataforma, que chegará a todos nós ao longo deste ano, responderá com várias inovações que eu, nem de perto, nem de longe, estive perto de considerar.

 

Vamos por partes.
Afinal, que oportunidades é que nos trouxe esta pandemia?

 

Novos públicos
Para além das conhecidas videoconferências familiares, as gerações mais velhas, que até agora restringiam a sua vida digital a acompanhar filhos, netos e velhas amizades no Facebook e Instagram, acabaram nestes últimos meses por ter novas experiências digitais. Pesquisas no Google, visualizações em vídeos no Youtube, assinaturas do Netflix e até compras online, foram feitas, em muitos casos pela primeira vez, nos últimos meses. Este consumidor, que passou a linha do analógico para o digital, representa uma excelente oportunidade para o pequeno retalho, que vê, assim, crescer o seu universo de consumidores.

 

Novos Bairros, Rotinas e a Economia do Delivery
O teletrabalho, para além das mudanças que trouxe às rotinas das empresa e das famílias, acredito que vai ser um dinamizador de bairros e área de residência onde até agora os habitantes só iam dormir. Estas novas geografias de consumo irão potenciar o comércio de proximidade e criar uma nova economia: as entregas ao domicílio.

 

Life as a Service
Consumidores habituados a assinaturas de serviços de conteúdos como Spotify ou Netflix, entre outros, já vinham a aceitar, de bom grado, que também os produtos passassem a ser consumidos através de novos formatos, como o aluguer, a subscrição, a possibilidade de experimentação, as novas soluções de entrega e de devolução, etc. Agora, numa economia mais débil, mas ainda mais exigente, os serviços agregados à compra ganham ainda maior destaque.

 

Atendimento e Relacionamento são o Novo Marketing
Mais do que nunca, a disponibilidade das empresas para atender, tirar dúvidas e envolver o comprador com a marca e produto são essenciais para se destacarem e manterem fiéis os clientes. Quem conseguir ter um bom produto, preço competitivo, facilidade de entrega e devolução e um bom e rápido atendimento, vai dar cartas nesta renovação da economia. Empresas que têm muita exigência de atendimento precisam de procurar soluções que integrem atendimento automatizado e humano, pois o consumidor atual exige imediatez às respostas simples, mas muita atenção nos casos mais particulares. O Retalho está em todo o lado.

Para além da tradicional loja, o pequeno comércio tem que estar acessível por telefone, destacado nos motores de busca, disponível com alguns vídeos no Youtube e, claro, a apostar em força nas redes sociais, nomeadamente Facebook e Instagram.Por isso, a notícia de ontem, do lançamento do Facebook Shops, vem reforçar estas oportunidades para o pequeno comércio. Pode parecer que esta solução vem tarde, pois já há anos as pessoas usam as plataformas Facebook e Instagram para promover, comprar e vender produtos, mas nunca antes deve ter existido um momento tão relevante. Como Mark Zuckerberg disse na apresentação: “O Facebook Shops não compensará todos os negócios perdidos, mas pode ajudar. E para muitas pequenas empresas durante este período, a aposta no negócio digital é a diferença entre permanecer à tona ou afundar … O Facebook está numa posição única para ser um apoiante das pequenas empresas, ajudando-as a crescer e a manterem-se saudáveis. ”

 

E como vai funcionar o Facebook Shops?

Criar uma loja no Facebook será gratuito e simples. A exibição da loja e do catálogo de produtos pode ser personalizada e vai ser possível vender produtos durantes lives e nos vídeos. Para além disso as lojas terão integradas com WhatsApp, Messenger ou Instagram Direct para atendimento, tracking de encomendas, etc.

A cereja no topo do bolo é as funcionalidades de Inteligência Artificial que estarão disponíveis a retailers e compradores que facilitarão a segmentação e classificação de imagens para potenciar ofertas e sugestões assertivas. Também a visualização 3D views e a experimentação recorrendo a Realidade Aumentada ou o AI Fashion Advisor são algumas das inovações esperadas.


On e Off-line temos desde já mapeadas várias oportunidades para a recuperação e progresso do pequeno comércio que os mais atentos irão, com certeza, aproveitar.

 

 

Opinião de Joana Carravilla no Imagens de Marca.