Pessoal e Privado

Publicado por

Publicado a Janeiro 13, 2020

Ainda que o título deste texto possa fazer lembrar o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), não é disso que se trata. Fujo desse tema a sete pés! Do que pretendo falar é sobre os novos desafios para quem trabalha marketing digital. Que são muitos!

As pessoas passam cada vez menos tempo no Facebook, verificando-se que esta rede sente cada vez mais dificuldade em conquistar utilizadores, especialmente dentro do público mais jovem. O Instagram, que já é o reino dos influenciadores, segue com as stories efémeras e vai “perder” os gostos e as mensagens diretas não partilháveis com terceiros. O Twitter parece que foi reservado, em exclusivo, para dois públicos bem distintos: por um lado, os muito jovens que o usam como uma plataforma de desabafos; por outro, os políticos e politizados que o usam para um fim idêntico.

O Tik Tok está a crescer em utilizadores, mas a dificultar, pelas suas características, uma entrada natural das marcas. Espontaneidade, atrevimento, imediatez e viralidade são os quatro adjetivos que caracterizam a plataforma, mas vejo poucas marcas com capacidade para reunir todas estas características. Já o Youtube está reservado ao marketing de influência ou seja, se uma empresa se apercebe que o seu público-alvo está nesta rede social, deve identificar um influenciador para passar a sua mensagem e não criar um canal próprio.

Para além de tudo isto, os utilizadores usam cada vez mais as plataformas de chat, todas elas privadas e fechadas! Então:

  • Onde e como vamos medir o engagement?
  • Como vamos escolher os influenciadores?
  • E medir o seu impacto?
  • Quem nos garante alcance e impacto das ativações?
  • E o maravilhoso e tão desejado efeito viral?

Todas estas perguntas irão, aos poucos, ficar obsoletas. Parece uma má notícia, mas, na verdade, finalmente, e de uma vez por todas, as marcas terão que deixar de olhar para os canais de comunicação digital como plataformas de comunicação para massas e, para sobreviverem, terão que responder a dois pontos essenciais: CONTEÚDOS RELEVANTES e SEGMENTADOS e RELACIONAMENTO.

No futuro, vencerão aquelas marcas que se preocupem com cada ponto de contacto, com cada consumidor, com cada caso e que passem a olhar as métricas qualitativamente, como:

  • Tempo e Qualidade de Resposta ao consumidor;
  • Taxa de retorno do consumidor à conversa com a marca;
  • Reversão de Sentimento;
  • Relacionamento proativo com consumidores;
  • Ampliação da mensagem da marca pelos consumidores;

Pode parecer incongruente, numa época em que a tecnologia se está a desenvolver a um ritmo nunca antes visto, as relações humanas one to one são a principal aposta. E será assim que, consumidor a consumidor, conversa a conversa, as marcas manterão a sua relevância junto dos seus públicos.

 

 

Opinião de Joana Carravilla no Imagens de Marca